terça-feira, 22 de janeiro de 2013

"Gramsci: uma introdução" por Valentino Gerratana


Político e escritor. Uma nova luz sobre sua biografia e os conteúdos de sua obra foi lançada pelos estudos realizados nos anos mais recentes. Depois de uma juventude atormentada por doenças e apertos econômicos, transferiu-se em 1911 para Turim, graças a uma bolsa de estudos que lhe permitiu matricular-se na universidade, na Faculdade de Letras e Filosofia. Apaixonou-se inicialmente pelos estudos de Lingüística, sob a orientação do glotólogo M. Bartoli, mas em seguida se ligou aos mais ativos movimentos literários e políticos da capital piemontesa. Seus estudos universitários, porém, foram retardados por freqüentes crises de esgotamento nervoso, e ele renunciará por fim a diplomar-se, para empenhar-se cada vez mais no jornalismo militante (em dezembro de 1915 começou a trabalhar na redação turinense de Avanti!, órgão do Partido Socialista Italiano).

Sua atividade jornalística se impõe à atenção geral não só pela qualidade do texto mas também pela profundidade da pesquisa cultural. Neste sentido, tornou-se exemplar a preparação de um número único redigido em fevereiro de 1917 por conta da Federação da Juventude Socialista do Piemonte (La città futura), em que ao lado de artigos originais de teoria e de propaganda socialista se alinhavam escritos de Croce, Salvemini e A. Carlini. Neste período, a influência de Croce e da polêmica antipositivista do idealismo italiano também se mostra na avaliação entusiasmada da Revolução Russa de novembro de 1917, interpretada como "revolução contra O Capital" (isto é, contra a versão determinista da obra de Marx). Com estas diretrizes preparou e em seguida dirigiu, no pós-guerra, o periódico L´Ordine Nuovo, publicado entre maio de 1919 e dezembro de 1920 com o subtítulo de "publicação semanal de cultura socialista". Ligando-se ao movimento turinense dos conselhos de fábrica, o periódico pretendia ser tanto instrumento de investigação cultural quanto órgão de luta política. Esta experiência se situava, numa perspectiva revolucionária, à esquerda do movimento socialista da época, mas em conformidade com outros fermentos da cultura italiana do período, como os que se referiam ao neoliberalismo de P. Gobetti, que de fato julgou positivamente a obra do grupo.

Em 1921 participou do Congresso de Livorno, que assinalou a cisão do Partido Socialista e a constituição do Partido Comunista. Ainda em Turim, dirigiu o órgão do novo partido, L´Ordine Nuovo, que se tornou um cotidiano (no qual também colaborou Gobetti, como crítico teatral). Todavia, nos primeiros anos do novo partido sua atividade foi condicionada pela direção de A. Bordiga, que, tendo organizado uma facção nacional antes da cisão, havia obtido uma posição de destaque, influenciando também grande parte do próprio grupo turinense de L´Ordine Nuovo.

Neste período, em maio de 1922, antes do golpe de Estado fascista, partiu para Moscou, onde ficou até novembro de 1923 como representante do partido italiano no comitê executivo da Internacional Comunista. Em seguida se dirigiu a Viena, para preparar uma nova série de L´Ordine Nuovo, que começou a sair quinzenalmente a partir de primeiro de março de 1924. Pouco depois foi eleito para o Parlamento e pôde voltar à Itália, empenhando-se na luta contra o fascismo e, dentro do partido, na ação organizativa necessária para impor uma linha política diversa da bordiguiana, que, por seu extremismo, havia entrado em rota de colisão com as posições prevalecentes na Internacional Comunista.

A linha de Gramsci, que reuniu em torno de si um novo grupo dirigente "centrista", prevaleceu a seguir no III Congresso do Partido Comunista da Itália, realizado em Lyon, em janeiro de 1926. Alguns meses depois, porém, suas relações com a Internacional Comunista sofreram um primeiro abalo, com sua iniciativa de escrever uma alarmada carta ao comitê central do Partido Bolchevique em razão das divisões internas daquele partido. Mesmo criticando a oposição, a carta também trazia reservas sobre os métodos da maioria (Stalin-Bukharin), e por este motivo Togliatti, então representante em Moscou dos comunistas italianos, considerou oportuno não entregá-la oficialmente. Daí nasceu uma viva polêmica entre Gramsci e Togliatti, relevante sobretudo pela insistência por parte do primeiro na necessidade de "apelar à consciência política dos companheiros russos e indicar energicamente os perigos e as fraquezas que suas atitudes estavam por determinar".

A precipitação dos eventos na Itália o afastou, no entanto, desta polêmica: em 8 de novembro de 1926, depois das "medidas de exceção" do governo fascista contra os oposicionistas, Gramsci foi detido apesar da imunidade parlamentar e enviado, primeiramente, ao confinamento em Ustica e, depois, ao cárcere de Milão, para ser submetido, junto com outros dirigentes comunistas, ao Tribunal Especial para a Defesa do Estado. No julgamento, realizado em Roma entre maio e junho de 1928, foi condenado a 20 anos de reclusão. Destinado, para cumprir a pena, à penitenciária de Turi (Bari), aí ficou até dezembro de 1933, quando por graves motivos de saúde foi transferido, primeiro, para a enfermaria do cárcere de Civitavecchia e, depois, sempre na condição de preso, para uma clínica privada de Formia. Só em outubro de 1934 foi posto em liberdade condicional, mas permaneceu na mesma clínica de Formia, não tendo condições de retomar a atividade normal em razão da saúde comprometida. Morreu, enfim, na clínica Quisisana, de Roma, para onde fora transferido sob vigilância desde a clínica de Formia.

Sua vida no cárcere também foi tornada amarga pelas difíceis relações estabelecidas com o partido que havia dirigido antes da prisão. Em desacordo com a linha política adotada no fim de 1929 sob pressão do Komintern, então em luta não só com o fascismo mas também com a social-democracia (definida como "social-fascismo"), se via em aberto conflito com a maioria dos outros comunistas presos em Turi, e isto o havia induzido a fazer de seu isolamento a forma exclusiva da própria existência. Explica-se assim por que sua situação não tenha sido então discutida nos órgãos dirigentes ativos no exílio, com os quais suas relações foram sempre indiretas (com a mediação do amigo economista P. Sraffa, que trabalhava em Cambridge). Todavia, depois de 1934, com o abandono da propaganda sobre o "social-fascismo" e o predomínio da política de unidade antifascista, foram intensificadas as campanhas internacionais de imprensa para pedir sua libertação.

À parte os reconhecimentos provenientes dos contemporâneos no curso de sua atividade (Gobetti, Prezzolini, Dorso), sua fama está ligada sobretudo à publicação, no pós-guerra, dos escritos póstumos. Em 1947, a primeira edição das Cartas do cárcere (uma edição nova e mais ampla foi publicada em 1965) teve uma enorme repercussão nos ambientes culturais mais diversos. Seguiram-se os volumes extraídos dos Cadernos do cárcere, na edição temática: O materialismo histórico e a filosofia de Benedetto Croce (1948), Os intelectuais e a organização da cultura (1949), O Risorgimento (1949), Notas sobre Maquiavel, a política e o Estato moderno (1949), Literatura e vida nacional (1950), Passado e presente (1951). Em vários volumes foram depois recolhidos os escritos jornalísticos do período pré-cárcere. A ordem sistemática escolhida na primeira edição dos Cadernos, com o agrupamento editorial das notas gramscianas por argumentos e temas homogêneos, tornava mais imediatamente acessíveis os conteúdos da obra, mas não revelava seus nexos internos e o fio condutor seguido pelo autor em seu trabalho.

Esta foi, no entanto, a tarefa que se propôs a edição crítica dos Cadernos do cárcere, publicada em quatro volumes em 1975 sob os cuidados de V. Gerratana, segundo a ordem dos manuscritos integrais assim como foram deixados pelo autor, mas com um amplo aparato de notas e índices e com o cotejo das fontes utilizadas. Assim foi possível seguir o ritmo de desenvolvimento da investigação gramsciana através da primeira redação de notas registradas em cadernos mistos, depois retomadas, e em alguns casos desenvolvidas na segunda redação dos cadernos "especiais", a partir dos quais o autor se propunha compor ensaios independentes relacionados entre si, mas não um trabalho orgânico de conjunto (como parecia sugerir a primeira edição temática).

Ponto de partida da investigação é a ordem de idéias esboçadas num ensaio sobre a questão meridional escrito antes da prisão, com a análise da relação cidade/campo e das alianças de classe na sociedade italiana das primeiras décadas do século. A análise se amplia e se aprofunda no trabalho dos Cadernos com o estudo da função dos intelectuais na história da Itália. É uma pesquisa complexa e original, porque a noção de "intelectual", em sua função de coágulo da formação de todo bloco histórico, é ampliada além dos limites tradicionais, numa visão que estende o conceito mesmo de Estado, entendido não mais só como "sociedade política", órgão de coerção jurídica, mas como entrelaçamento de sociedade política e "sociedade civil", em que a hegemonia de um grupo social se exerce através de organizações privadas, como Igreja, sindicatos, escolas e outros instrumentos de direção cultural.

Esta estrutura teórica, que tem no centro o conceito de "hegemonia", leva também a uma nova interpretação da queda das comunas medievais e de sua incapacidade de superar a fase econômico-corporativa do Estado, em razão do caráter cosmopolita dos intelectuais italianos e da ausência, neles, de uma função nacional-popular. No Estado moderno, ao contrário, o exercício da hegemonia permite às classes dominantes obter o consenso das classes subalternas, seja com a energia das revoluções de tipo jacobino, seja através de diferentes formas de "revolução passiva": com este termo, tomado de V. Cuoco, é indicado um processo de revolução-restauração ou de "revolução sem revolução", como aquele ilustrado na história italiana pelo Risorgimento, em que os moderados conseguem exercer sua hegemonia sobre o Partido de Ação.

Nesta análise, também o fascismo é considerado uma forma particular de revolução passiva; o fascismo visto não só em seus aspectos repressivos mas também em seus esforços econômico-sociais de modernização em relação ao fenômeno do americanismo e do fordismo, outro veio explorado com constância analítica nos Cadernos. Neste quadro historiográfico se insere a visão política de uma estratégia revolucionária fundada na passagem da "guerra de movimento" e do ataque frontal à "guerra de posição" adequada às condições do Ocidente, em que o exercício da hegemonia é confiado à conquista do consenso em todas as principais articulações da sociedade civil.

Liga-se a tal estratégia a reflexão sobre dois temas recorrentes nos Cadernos: o problema da relação entre Maquiavel e Marx (e surge desta reflexão a idéia de um partido como moderno Príncipe) e a perspectiva de um desenvolvimento do marxismo como filosofia da práxis em suas relações com o senso comum e com as correntes culturais do mundo moderno. A estreita conexão destes temas se mostra ainda mais evidente na sucessão dos manuscritos originais tal como são reproduzidos na edição crítica, na riqueza de suas implicações e dos problemas deixados em aberto pelo próprio autor. Por isto, trata-se de temas que podiam servir de estímulo para novas pesquisas e de fato foram discutidos longamente, mesmo em outros países.

terça-feira, 20 de março de 2012

"Idi Amin no Pan-Óptico" Eulália Jordà-Poblet

Toda a vida do gorila negro nomeado burlescamente de "Idi Amin" transcorreu como um espetáculo para a população da cidade de Belo Horizonte. Paradoxalmente, ele nunca conheceu seus edifícios por ser cativo de um decadente presídio chamado zoológico.

Nessa peça, quase todos desfilam como figurantes, divertindo-se, mesmo que por ingenuidade, com a desgraça do grande símio condenado a cumprir o papel de bufão. Com sua morte, a tragicomédia interrompeu-se, deixando uma pergunta vir à tona: de onde teria vindo esse estrangeiro? 

Sua documentação apresentou-se incompleta, como reportado em jornal local. Algo comum entre as vítimas de tráfico. Supõe-se que tenha nascido por volta de 1973 em algum lugar da floresta equatorial do Congo - lugar onde a proteção dos animais nunca foi prioridade -, de onde teria sido levado para um zoológico francês. De lá teria sido negociado como um escravo e trazido para Belo Horizonte.


Chegou a essa sua derradeira prisão, da qual nunca mais iria sair, com dois anos de idade. Cumpriu pena maior do que a máxima para os animais humanos que cometeram crimes gravíssimos: 39 anos.

Pela lei das probabilidades, sua mãe deve ter sido morta por caçadores, ocasião em que deve ter se agarrado ao corpo inerte, tornando-se presa fácil para os traficantes oficiais e não oficiais. 

Essa história nebulosa é cuidadosamente omitida, criando-se o álibi de que o zoológico é um lugar importante para a "preservação das espécies".        

Não só "Idi Amin" foi um dos sofridos bebês gorila afastados precocemente de suas mães, mas também "Dada" e "Cleópatra", falecidas com pouco tempo de chegadas à sociedade do espetáculo. Pudera! Como ele, tiveram que enfrentar o sequestro e as mudanças de cárcere para cárcere; a ausência do aleitamento materno - que costuma, em condições normais, chegar aos 3 anos de idade -; deficiências imunitárias geradas pelo estresse; a barbárie do transporte; o isolamento da sua sociedade de gorilas e da planície africana; o banzo; e, finalizando, a superexposição em ambiente estranho.

"Idi Amin", milagrosamente, sobreviveu, mas perdeu em cheio para o tédio, simbolizado por seu melancólico pneu sempre a tiracolo. Como os demais gorilas em cativeiro, tornou-se tímido, ensimesmado; apegou-se aos tratadores, numa espécie de síndrome de Estocolmo, aquela na qual a vítima, em uma estratégia de sobrevivência, identifica-se com seu captor.

A lógica dos zoológicos obrigou "Idi Amin" a viver em um pan-óptico, a se mover durante toda a sua vida em uma arena circular, onde, de qualquer ponto escolhido, o visitante inoportuno pudesse visualizá-lo. Colocado no centro de risos, caretas, sons incompreensíveis, diariamente, o gorila foi massacrado até tornar-se uma caricatura de si mesmo. Agora, com a cadeira de bobo da corte vaga, ainda querem trazer outro gorila para perpetuar o círculo vicioso dessa tradição nefasta.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Rosa Luxemburgo e a Igreja Classista

"...os padres fulminam os trabalhadores que estão em greve e os opositores do Governo; e ainda mais, exortam-nos a suportar a pobreza e a opressão com humildade e paciência. 
(...)
o clero, que se torna o porta-voz dos ricos, o defensor da exploração e opressão, põe-se a si próprio em flagrante contradição com a doutrina cristã. Os bispos e os padres não são os propagadores dos ensinamentos cristãos, mas os adoradores do Bezerro de Ouro e do chicote que açoita os pobres e indefesos. 
(...)
todos sabem que os próprios padres tiram proveito do trabalhador, extraem-lhe dinheiro por ocasião do batismo, casamento e funeral.
(...)
A maior parte dos padres, de faces rosadas, curvam-se e saúdam cortesmente os ricos e poderosos, perdoando-lhes silenciosamente toda depravação e toda a iniquidade.
(...)
Os trabalhadores espantam-se de como na luta da sua classe pela emancipação vão encontrar nos servidores da Igreja inimigos e não aliados."
LUXEMBURGO, Rosa. O Socialismo e a Igreja.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Rosa Luxemburgo e o sentido burguês de toda burocracia

"Sem eleições gerais, sem liberdade ilimitada de imprensa e de reunião, sem livre enfrentamento de opiniões, a vida se estiola em qualquer instituição pública, torna-se uma vida aparente na qual a burocracia subsiste como único elemento ativo.
A vida pública adormece progressivamente, algumas dúzias de chefes, portadores de uma inesgotável energia e de um idealismo sem limites, dirigem e governam; entre eles, a direção é assegurada, na realidade, por uma dúzia de espíritos superiores, e a elite do operariado é convocada de tempos em tempos para reuniões, para aplaudir o discurso do chefe e votar unanimemente as resoluções propostas (...) Trata-se de uma ditadura, é verdade, não a ditadura do proletariado, mas a ditadura de um punhado de políticos, isto é, uma ditadura no sentido puramente burguês."
LUXEMBURGO, Rosa. A Revolução Russa.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

José de Alencar defendia a escravidão

"Se a escravidão não fosse inventada, a marcha da humanidade seria impossível, a menos que a necessidade não suprisse esse vínculo por outro igualmente poderoso. (...)
Desde as origens do mundo, o país centro de uma esplêndida civilização é, no seu apogeu, um mercado, na sua decadência, um produtor de escravos. (...)
Modernamente, os povos caminham pela indústria. São os transbordamentos das grandes nações civilizadas que se escoam para as regiões incultas, imersas na primitiva ignorância. O escravo deve ser, então, o homem selvagem que se instrui pelo trabalho. Eu o considero nesse período como o neófito da civilização."

ALENCAR, José de. Cartas a favor da escravidão. ed. Hedra, 2008, p. 67.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Francisco Iglésias comenta o Integralismo de Plínio Salgado

"Plínio Salgado (...) não era o chefe imaginado pela direita do país: arrogante nos momentos de êxito, era simples seguidor de ordens oficiais em momentos adversos. Assim terminou sua carreira, como deputado convencional. Não sem deixar marca profunda de seu pensamento, pouco original, mas eficaz na propaganda, empolgando largos setores da população por alguns anos, para depois consumir-se como político comum na Câmara dos Deputados. A Ação Integralista é episódio digno de nota na trajetória política de um povo que não conta com instantes excepcionais, em geral acomodado à ordem vigente. Exprimiu aqui a ascensão da direita no mundo, mas não conseguiu impô-la. Viveu intensamente de 1932 a 1937, para depois desaparecer. "
IGLESIAS, Francisco. Trajetória Política do Brasil 1500-1964. ed. Cia das Letras, p. 241, 1993.